domingo, 2 de março de 2014

Cosmos com Cosmos 07: A espinha dorsal da noite



Episódio VII: A espinha dorsal da noite
No qual voltamos ao Cosmos



“Cosmos com Cosmos” é uma série semanal que incentiva as pessoas a assistirem a série Cosmos de Carl Sagan, bem como a discussão de aspectos relevantes de cada episódio da série. Iniciando dia 19 de Janeiro de 2014, semanalmente com comentários de cada episódio. Sobre o porquê desta série de textos semanais vide a introdução.  Observação importantíssima sobre o texto no rodapé de publicação.




Episódio 7 de Cosmos, a espinha dorsal da noite, abre-se não com estrelas, mas com a ponte de Verrazano–Narrows conexão Staten Island com Brooklyn. Como nos episódios anteriores... estamos indo em direção a algo, para casa. Mas ao invés de vir do espaço profundo em direção à terra, estamos seguindo Sagan de volta para sua casa – suas origens – em Brooklyn.

O episódio também está preocupado com outra origem, que é um dos temas centrais de toda a série: que o universo é conhecível, que segue leis estamos apenas começando a entender, e que essa busca de conhecimento nos leva a entender melhor a nós mesmos e a nossa espécie.



Depois de uma série de episódios que eram principalmente de exposição, achei refrescante para retornar para a tese principal do show, sobre como o caos se tornou cosmos. Ao contrário de alguns episódios anteriores, há um pouco de enchimento, as transições entre tópicos são lisas, e os segmentos são cheios de especulação pensativa, discussão e ideias intrigantes. Este é o melhor episódio da série até agora.

O show tem legendado em si "Uma viagem pessoal", mas raramente vimos tanto da biografia de Sagan embrulhada na narrativa. Esta importante presunção – que nosso narrador é humano – ajuda a conectar-nos como espectadores, permitindo-nos mapear nós mesmos para Sagan história disto é, em partes, nós próprios. Cada um pode recordar um momento de quando éramos jovens, quando o mundo cresceu em tamanho, quando o mundo mostrou-se ser muito maior do que a nossa experiência limitada. Desenvolver uma experiência compartilhada é crucial: permite-em um ponto de apoio no maior paralelo temático neste episódio, que nós mesmos experimentamos um crescimento similar na compreensão do mundo como uma espécie.

A narrativa paralela entre a infância de Sagan e entendimento da humanidade do cosmos é sutil e finamente trabalhada. Considere: O mundo de Sagan quando ele era jovem era pequeno – apenas alguns blocos na seção Bensonhurst de Brooklyn. Ele podia ver as estrelas à noite. Estas despertou sua curiosidade, levando-o para além dos limites do seu pequeno universo e em um bairro novo, contendo uma biblioteca. Nossos antigos ancestrais humanos também pensava que o mundo era pequeno, que era único, que todos os deuses e os movimentos das estrelas no céu eram focados neles. Mas as estrelas que gritaram para nós, a puxar-nos para além do nosso mundo conhecido para maior conhecimento, encontrando-nos dentro de "algo muito maior" do que nós jamais teríamos imaginado.

Dão-em uma visita tentadora neste momento crucial na história humana com um emocionante passeio de cientistas gregos antigos e variadas realizações. Os antigos gregos criaram as bases da ciência moderna, teatro, linguística, retórica e política. Suas especulações (particularmente as erradas) influenciaria profundamente o mundo ocidental para os próximos anos 2500. Nada mal para uma coleção solta de cidades-estado gregas ao longo de alguns séculos.

Sagan argumenta que esse "despertar glorioso" cresceu a partir de uma resposta prática aos problemas enfrentados pelo comerciante entre cidades semi-isoladas. Uma mistura inebriante de ideias, crenças e tesouro de conhecimentos em uma região longe de poderes estabelecidos, opressivos. Sagan expande esta ideia na versão livro do Cosmos, dizendo que, dado tempo suficiente, ciência provavelmente poderia surgir em muitas civilizações, mas tinha que acontecer primeiro em algum lugar.

Você pode ouvir a emoção na voz de Sagan como ele explicita possivelmente a idéia mais importante na história da humanidade:

"Foi alegado que o universo era cognoscível. Por quê? Porque foi ordenado, porque há regularidades na natureza que permitido segredos para ser descoberto. Natureza não era totalmente imprevisível, havia regras que nem ela mesma não podeia deixar de obedecer. Este personagem ordenado e admirável que é o universo foi chamado cosmos." (Carl Sagan)

Isso é a chave para todos os benefícios do mundo moderno. O universo é cognoscível. Sem qualquer previsibilidade, viveríamos em um caos terrível, totalmente sujeito a forças além do nosso entendimento, só podíamos fazer tentativas desesperadas de acalmá-los.

Mas se existem leis universais que a natureza mesmo obedece, não há nenhuma razão para aderir às regras prescritivas estabelecidas pelos sacerdotes para apaziguar os deuses, porque os deuses não são as que comandando o show. Isto levanta um fardo pesado: desastres, pragas e outras pragas já não são o resultado de nossas próprias ações. Nós somos liberados de aplacar caprichosos seres que podem a qualquer momento, chateados e alterar o comportamento do mundo. Como libertador isto é. Quão poderosa.

Mas para muitas pessoas isso é podem ser mais assustadoras do que os próprios deuses. Se a natureza é uma consequência física das leis básicas que regem o comportamento da matéria e da energia, então os seres humanos são postos de lado. Não há nenhuma natureza diferente; Ela é impiedosa. Alguns bastante escolheram um caos que eles podem ter a capacidade de persuadir do que um cosmos no qual eles são meros espectadores.


Claro, este era primeiro da proto-ciência era temporário. Muitas ideias foram suprimidas e perderam-se. O que sabemos sobre eles vem através de segunda mão contas ou restos esfarrapados de pergaminho. Da mesma terra fértil cresceu a ideia da divisão entre o mundo natural e o pensamento. Platão e as ideias de Aristóteles, de um mundo natural manchada, separado da perfeição distante dos céus, dominaram o pensamento ocidental há milhares de anos. Não até Kepler observação mais uma vez conheceu teoria.


Créditos da Imagem:Tyler Nordgren

A espinha dorsal da noite 
A Via Láctea – a espinha dorsal da noite – ao longo do vale de Yosemite. Estas estrelas têm chamado os seres humanos desde os primórdios da nossa espécie, trazendo o melhor e o pior de nós. Agora, nossas melhores tendências estão ganhando.


Sagan argumenta que o pecado da escravidão era a responsável pela supressão dessas idéias novas. Eu acho que há um convincente caso lá. Mas eu também sinto que foi uma consequência das tendências humanas no sentido de auto-importância, narcisismo, poder e opressão. É muito mais satisfatório ser a pessoa mais importante na sala. Naturalmente buscamos atenção e afirmação. Que bom é se cada movimento nos céus acontece nos influenciar? Um pequeno universo nos faz sentir maior em comparação.

Acho que é onde quebra o paralelismo entre o desenvolvimento do indivíduo de criança para adulto e desenvolvimento da sociedade do caos ao cosmos. Geralmente, o nosso desenvolvimento pessoal é relativamente constante e orientado para o futuro. Temos a tendência para não esquecer o que aprendemos sobre a verdadeira natureza das estrelas, por exemplo. Mas nossa cultura mudou-se para frente em ajustes e começa, às vezes para frente, muitas vezes para trás. Não há nenhuma garantia de que os progressos realizados hoje estarão amanhã. As estrelas podem acenar para um universo maior, mas não necessariamente mantêm-nos lá.

Mais tarde na série, Sagan ressalta a importância de ser um "cidadão do cosmos". Isto não significa apenas ser mundana ou culta. Acho que para ser que um cidadão do cosmos está a ser cometido ao cosmos – a idéia de que ordem subjacente à natureza, que o nosso universo deve ser maior, e que devemos nos sentir menores dentro dele. Exige que estejam contra o caos, contra nossos demônios interiores de narcisismo, insegurança e auto-importância percebida que estão sempre prontos para devorar arduamente ganhos em conhecimento.


CITAÇÕES:

  • "Cada um de nós começa a vida com uma mente aberta, uma curiosidade de condução, um sentimento de admiração."
  • "Em nossas vidas pessoais caminhamos da ignorância ao conhecimento. Nosso crescimento individual representa o avanço da espécie. A exploração do cosmos é uma viagem de auto-descoberta."

OBSERVAÇÕES ALEATÓRIAS:



  • Carl Sagan não parece ser o maior professor de Ciências escola alguma vez?
  • Eu realmente amo o segmento especulativo de explorar a mente de um ser humano antigo ponderando as estrelas. O livro se expande neste segmento significativamente. É um lembrete importante que dependemos totalmente do vasto conhecimento coletado da nossa espécie. Humanos antigos tinham os mesmos recursos que nós, tinham os mesmos sentimentos que nós, mas tinham a encolher-se sob o opressivo medo do desconhecido.
  • O novo Cosmos tem o subtítulo uma Odisséia no espaço-tempo, que é inteligente, mas sugere uma abordagem muito diferente do que A viagem pessoal. Nós vamos mergulhar a biografia pessoal de Neil deGrasse Tyson como parte do show? Ou ele será mais um guia bem intencionado, distante?

"Cosmos com Cosmos" é uma adaptação para português dos textos elaborados por Casey Dreier da Planetary Society, este texto sofreu adaptações e tradução feitas por Douglas Ferrari, para divulgação do conteúdo no Brasil, assim garantindo um dos objetivos desta organização de popularização e divulgação científica. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário